Sindicato da Indústria de Material Plástico no Estado do Paraná
telefone:
(41) 3224-9163

União de recicladores reforça potencial do segmento

adadas

O setor de reciclagem de plástico brasileiro mostra cada vez mais seu valor e já está sendo considerado um dos mais importantes segmentos de negócios do país, empregando 20 mil pessoas em mais de 1.029 empresas. Ainda a pouco explorado, desperdiça hoje (por conta do não tratamento dos resíduos plásticos) um potencial econômico na ordem de R$5,8 bilhões.

No terceiro Encontro dos Recicladores da região Sul, que aconteceu no último dia 27 de julho, na sede do Simpep, representantes indústrias recicladoras do Paraná, Santa Catariana e Rio Grande do Sul  discutiram como  melhorar o ambiente de negócios no setor e alavancar a competitividade.

A presidente do Simpep, Denise Dybas Dias, alertou que o setor terá grande crescimento e valorização nos próximos anos, em especial por conta da implantação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos, com possíveis incentivos governamentais. “É hora estarmos todos juntos, buscando melhorias para segmento de reciclagem e fortalecendo  a cadeia produtiva do setor como um todo”.

abiplast

O encontro contou com a presença do Diretor Superintendente da ABIPLAST/SINDIPLAST, Paulo Teixeira, que considerou a reciclagem do Paraná como estratégica. “O Estado é um grande polo da região Sul do Brasil. Aqui estão instaladas as grandes empresas de embalagens, sacolas,  fios, entre outras. Um parque industrial significativo para a reciclabilidade de materiais plásticos”, destacou.

Ele apresentou  as Ações da Câmara Nacional de Recicladores de Material Plástico e também falou sobre a importância do evento, que reuniu 30 representantes das principais indústrias do segmento, o que equivale a cerca de 50% do volume de plásticos reciclados do Sul do país.

O representante ABIPLAST/SINDIPLAST  reforçou a importância da certificação SENAPLAS – para as indústrias recicladoras, que tem como objetivo identificar e valorizar este segmento, identificando as que trabalham dentro dos critérios socioambientais e econômicos exigidos pela lei.

Outro tema importante colocado em pauta foi a ação da ABIPLAST em relação aos Aditivos Pró-degradantes em Materiais Plásticos. Em 2014, foi realizado seminário para debater com acadêmicos e especialistas quais são os impactos do uso de aditivos degradantes na reciclagem para subsidiar parecer técnico da Câmara sobre o uso de tais aditivos e a partir ​destas discussões, foi elaborado em um parecer da ABIPLAST/CNRMP elucidando tecnicamente que o uso de materiais pró-degrandantes impedem a reciclagem do plástico e que sua utilização vai contra os preceitos da PNRS dos 3R´s (Reduzir, Reutilizar e Reciclar).  Acesse aqui o folder.

 

juntos recicladores

Questionário Bloco K – SPED Fiscal

Com o objetivo de viabilizar um pleito para explicar  à Secretaria da Receita Federal algumas particularidades do setor de reciclagem em relação as perdas no processo, foi apresentado também o Questionário Bloco K – SPED Fiscal.

A ideia é buscar incentivos para a Indústria de reciclagem, atendendo à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS); diferenciar a resina virgem da reciclada com o objetivo  de identificar corretamente as resinas  produzidas a partir de material reciclado; reduzir alíquota de IPI para as resinas recicladas e criar um incentivo tributário para o uso de resina reciclada, por ser  produto ecológico.

​Para o representante do SINDIPLASC – Sindicato das Indústrias de Plástico do Oeste de SC ,  o empresário Alceu Lorenzon, da Alcaplas, há a necessidade de maior conhecimento sobre os trâmites legais das políticas de incentivo e legislações específicas sobre o setor. “Nosso grupo quer ampliar esta discussão de forma técnica e específica e beneficiar o setor como um todo”, anunciou.

​ ​ senaplas

Neste sentido, foi discutido no encontro também a necessidade de elaboração de uma norma técnica para padronizar na separação e valorização dos resíduos plásticos pelos recicladores, adotando nomenclatura padrão, para facilitar a identificação e comercialização dos resíduos, definindo percentuais de contaminação e impurezas aceitáveis, de forma a garantir viabilidade do negócio e melhor qualidade da matéria prima final. Outra necessidade do grupo é a busca de parcerias de negócios para a destinação de rejeitos da reciclagem, que podem ser reutilizados na reciclagem energética, viabilizando um novo nicho de negócio para os recicladores, além da reutilização do lodo remanescente das estações de tratamento dos efluentes, que podem ser destinados à olarias e a empresas de compostagem.​

Localização

Edifício New York Building
Rua João Negrão, 731 – terceiro andar, conjunto 301

Centro, Curitiba – Paraná.

CEP: 80010-200

(41) 3224-9163