Sindicato da Indústria de Material Plástico no Estado do Paraná
telefone:
(41) 3224-9163

Setor têxtil quer regime especial de tributação

Acuada pela falta de competitivi¬dade em relação aos importa¬dos, a Associação Brasileira da In¬dústria Têxtil (Abit) procurou ontem o governo para pedir um regime específico de tributação para roupas e confecções. O presidente da entidade, Aguinaldo Diniz. Filho, se reuniu com o ministro do Desenvolvi¬mento, Indústria e Comércio Ex¬terior, Fernando Pimentel, para pedir “urgência”, com adoção do regime ainda no primeiro trimes¬tre deste ano. Apesar de benefi-ciado pela desoneração da folha de pagamento, o setor demitiu no ano passado e continua per¬dendo mercado. Segundo o empresário, haverá um novo encontro entre repre¬sentantes do setor com represen¬tantes dos Ministérios da Fazen¬da e do Desenvolvimento nos próximos dias para debater mais profundamente como reduzir impostos sobre confecções. As negociações seguem sob sigilo, uma vez que nem a Abit, nem o Ministério do Desenvolvimento informaram o teor do eventual regime tributário diferenciado. Desempenho. Para convencer o governo sobre a importância da medida, o presidente da Abit apresentou o desempenho do se¬tor no ano passado. Apesar de um crescimento de 4,5% nas ven¬das de roupas e confecções no varejo, houve uma queda na pro¬dução nacional da ordem de 10,3%. Ao mesmo tempo, a im¬portação desses produtos subiu 4%, sugerindo que o aumento do consumo foi praticamente todo absorvido por roupas produzi¬das fora do País. Esse cenário não impediu, segundo Diniz Fi¬lho, que a indústria investisse US$ 2,2 bilhões, em 2012. “O setor têxtil não é contra a importação, mas quer competir com alguma igualdade”, afir¬mou o executivo ao final do en¬contro com Pimentel. “O setor sofre de tributação excessiva, e se não fizermos alguma coisa forte para as confecções, teremos uma situação muito difícil.” De acordo com o presidente da Abit, houve alguma melhora nas vendas de janeiro e ele espera que o faturamento mostre rea¬ção ao longo de 2013. Mas uma ação “rápida” do go¬verno seria necessária para evi¬tar novas quedas de produção neste ano, de acordo com Diniz Filho. Além de um regime especial de impostos para roupas e confecções, o setor têxtil tam¬bém pede a adoção de salvaguar¬das, que ainda estão sob estudo da equipe técnica do Ministério do Desenvolvimento. Queixas AGUINALDO DINIZ FILHO “O setor têxtil não é contra a importação, mas quer competir com alguma igualdade.” “O setor sofre de tributação excessiva.”

Fonte: O Estado de São Paulo

Localização

Edifício New York Building
Rua João Negrão, 731 – terceiro andar, conjunto 301

Centro, Curitiba – Paraná.

CEP: 80010-200

(41) 3224-9163