Sindicato da Indústria de Material Plástico no Estado do Paraná
telefone:
(41) 3224-9163

O desempenho do Setor de Transformados em 2015

Sem Título-1

 

Em 2015, houve uma queda de volume de produção de 3% em média, se comparamos com o volume transformado em 2014, dado que foi acirrado pela crise econômica e política que atravessa o País, alto custo da energia elétrica e da matéria prima, bem como juros elevados, dificultando crédito para investimentos e manutenção das empresas.

De acordo com a presidente do Simpep, Denise Dybas Dias, a expectativa para o mercado em 2016 é pessimista, pois os reflexos deste momento de quase “depressão econômica” permanecerão de forma acentuada nos próximos anos.

“O Simpep continuará trazendo benefícios aos seus associados, buscando informações, capacitações e subsídios para as melhorias nas indústrias”, destacou a presidente da entidade, que apontou as principais ações realizadas em sua gestão este ano, fazendo também um balanço dos principais problemas enfrentados.

 Cenário de incertezas

Diante do atual cenário de incertezas, é fundamental que consigamos otimizar a produção, reduzir custos e realizar um planejamento para a execução de projetos de maior escalabilidade.

O Paraná já ficou em 2º lugar em volume de produção e agora está na 4º posição do ranking nacional. O Simpep tem executado estratégias integradas de forma a dar suporte aos seus associados neste momento, em ações de capacitação tecnológica, consultoria tributária, cursos de qualificação profissional, tecnológica, eficiência energética e aprimoramento de recursos humanos, entre outras ações, contando com o suporte das estruturas do Sistema FIEP e entidades nacionais como a Abiplast.

Desemprego poderá crescer

Apesar dos esforços de todos, no próximo ano as demissões podem se tornar uma imposição. No Paraná, em 2015, a taxa de desemprego no segmento do plástico foi drasticamente acentuada, com demissões de aproximadamente 2.100 colaboradores, no período de janeiro a julho, de acordo com levantamentos realizados pelo sindicato da categoria. Segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego no primeiro semestre de 2015 houve perda de 916 postos de trabalho no setor plástico do Paraná. E no Brasil ocorreram 8.887 demissões.

Matéria prima e a concorrência

A política comercial da matéria prima do setor é baseada no preço internacional de commodities  e do dólar, o que tem aumentado os nossos custos de forma inesperada, inviabilizando planejamentos, investimentos e, como a demanda está baixa, dificultando ainda mais o repasse destes custos ao mercado.

Como nosso setor é composto principalmente por Micro/Pequenas e Médias empresas ( 940 indústrias de transformação de plástico e reciclagem, das quais 115 são associadas  e 1.322 filiadas), apenas uma minoria está sendo beneficiada com o alto valor do dólar, são empresas que ainda possuem competitividade para exportar e representam penas 2% do nosso universo,  geralmente multinacionais.

Clima de diálogo com o Governo

O Simpep sempre manteve um clima diálogo com o Governo. O setor conseguiu avançar em propostas encaminhadas e algumas delas foram possíveis de executar em 2015. Entretanto, apesar do Governo do Paraná ter beneficiado diversos setores da indústria do plástico, ainda não temos incentivos de impacto significativo para concorrer com estados que possuem um polo industrial voltado ao plástico.

Por conta disso, estamos trabalhando fortemente na manutenção das conquistas já efetivadas, defendendo a posição da indústria com argumentos técnicos e econômicos, em especial na questão do incentivo da energia elétrica para horários noturnos, além de atuar junto à Abiplast em relação aos pleitos junto ao Governo Federal.

A energia elétrica, que é um dos maiores custos para a indústria de transformação, vem acentuando o cenário de crise quer vivemos. Os recentes reajustes nas tarifas e a bandeira vermelha dobraram os valores das taxas de energia. Muitas indústrias ficaram inviabilizadas de arcar com esse custo e outras estão  encolhendo suas plantas; desligando máquinas e eliminando turnos de trabalho, com risco iminente de fechamento.

Incentivo à Qualificação

O SENAI-PR, em parceria com o SIMPEP, mantém ativa a Escola do Plástico desde 2012, com turmas de Operador de Transformação de Plásticos contando com aproximadamente 25 alunos,  Curso de Liderança com 14 alunos, Aprendizagem com 12 alunos e há também a negociação para encaminhamento de vagas para Curso Técnico em Plástico.

Sustentabilidade e Responsabilidade social

 A continuidade do projeto da Central de Valorização de Materiais Recicláveis (CVMR) também está assegurada, mediante renovação de um termo de compromisso, assinado no último dia 01 setembro, com o Governo do Estado do Paraná, que prevê a manutenção do apoio e incentivo à continuidade dos projetos em andamento, estabelecendo metas de produção até 2016.

As CVMRs são resultado de um Termo de Compromisso da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos com o setor de Embalagens e de Bebidas, responsável pelos custos da implantação e funcionamento das Centrais , mas além do Sindibebidas, hoje também integram o projeto os sindicatos paranaenses das indústrias de Plástico (Simpep), do Leite (Sindileite), de Papel e Celulose (Sinpacel) e da Mandioca (Simp), entre outros.

Setor de embalagens pós consumo

Até 2016, estarão em funcionamento  outras três  CVMR’S de Londrina, Maringá e Cascavel. Em 2017 as CVM’s de Guarapuava, Francisco Beltrão e Campos Gerais. A previsão é de que cada unidade no interior recolha e envie para reciclagem cerca de três mil toneladas de materiais por ano.

Além de beneficiar o meio ambiente retirando de circulação embalagens vazias, a Central de Valorização de Materiais Recicláveis tem ainda um forte componente social, pois estimula o associativismo/cooperativismo e a melhora a renda dos catadores. São eles que recolhem as embalagens e levam para as cooperativas, onde é feita a triagem. A Central, que fica num raio de 100 quilômetros das cooperativas, faz a comercialização direta do que já foi selecionado na triagem. O lucro é dividido entre catadores e cooperativas.

 

 

Localização

Edifício New York Building
Rua João Negrão, 731 – terceiro andar, conjunto 301

Centro, Curitiba – Paraná.

CEP: 80010-200

(41) 3224-9163