Sindicato da Indústria de Material Plástico no Estado do Paraná
telefone:
(41) 3224-9163

Carga tributária bate recorde e chega a 35,3% do PIB em 2011

A carga tributária em 2011 chegou a 35,3% do Produto Interno Bruto (PIB), maior alta registrada em 10 anos, de acordo com dados divulgados pela Receita Federal. O avanço em relação a 2010 é de 1,8 ponto porcentual. A carga tributária é recorde mesmo se descontados os impostos que voltaram para a população. O aumento já era esperado pelos técnicos do Fisco.

O ritmo fraco da economia em 2011 não evitou que a carga tributária brasileira ultrapassasse a marca de 35% do Produto j Interno Bruto (PIB).

Segundo dados divulgados ontem pela Receita Federal, o total de tributos arrecadados pela ; União, Estados e municípios no ano passado atingiu um volume equivalente a 35,3% de todas as riquezas produzidas no País, um avanço de 1,8 ponto porcentual em relação a 2010.

Mesmo descontando o valor dos impostos que voltaram para a população como benefícios previdenciários e seguro-desemprego,por exemplo, a carga tributária líquida também foi recorde, ao bater em 20,1% do PIB, de acordo com estudo da Secretaria de Política Econômica (SPE), do Ministério da Fazenda. A expansão entre 2010 e 2011 foi a maior registrada na série histórica do governo, iniciada em 2002.

O aumento já era esperado pelos técnicos do Fisco, uma vez que, no ano passado, houve recolhimentos extraordinários, como o pagamento de R$ 5,8 bilhões em tributos devidos pela Vale, forte volume oriundo do lucro das empresas, além da consolidação do parcelamento de dívidas inscritas no Refis da Crise e outros programas.

Em 2011, a Receita obteve R$ 14,3 bilhões mais recursos por meio desses parcelamentos especiais do que no ano anterior -ao todo, os diversos programas de Refis renderam ao Fisco R$ 27 bilhões no ano passado. Descontados os parcelamentos, a carga tributária bruta atingiu 34,7% do PIB em 2011.

Segundo o coordenador-geral de estudos econômico-tributários do Fisco, Othoniel de Sousa, os recursos dos parcelamentos especiais acabam “inflando” a arrecadação tributária de um ano com dinheiro que deveria ter entrado nos cofres públicos em anos anteriores.

A União fica com a maior parte dos recursos tributários. No ano : passado, a Receita Federal recolheu pouco mais de R$ 1 trilhão por meio de impostos e contribuições, o equivalente a 24,7% do PIB. A arrecadação dos Esta; dos representou 8,6% do PIB, enquanto os municípios responderam por i,9%do PIB em tributos.

Segundo especialistas, a carga tributária deve recuar este ano. Os economistas Amir Khair, ex-secretário de Fazenda de São ; Paulo, e Felipe Salto, da Tendências Consultoria, dizem que a carga tributária deve voltar ao nível de 34% do PIB, onde esteve ” entre 2005 e 2006.

“Não tivemos receitas extraordinárias em 2012 como tivemos ; em 2011”, disse Khair. Segundo Khair, o aumento da arrecadação de tributos por parte da : União, Estados e municípios no ano passado resistiu à desaceleração da economia por causa da : entrada de recursos atípicos nos cofres públicos.

Para Salto, a carga tributária deve ficar entre 33% e 35% do PIB nos próximos anos, se a economia voltar a crescer num ritmo próximo de 4%. “O caminho deve ser o da simplificação tributária e, ao mesmo tempo, o da melhora na gestão pública, que reduziria a necessidade de uma carga tributária tão elevada para sustentar o Estado.”

Fonte: O Estado de São Paulo

 

Localização

Edifício New York Building
Rua João Negrão, 731 – terceiro andar, conjunto 301

Centro, Curitiba – Paraná.

CEP: 80010-200

(41) 3224-9163